Teste confirmatório para Cocaína - urina

Código:

COCAC

Sinônimo:

Material:

Urina EXT

Volume:

10,0 mL

Método:

Cromatografia Líquida/Espectrometria de Massas

Volume Lab:

10,0 mL

Rotina:

Resultado em:

Interferentes:

Congelado

Temperatura:

Congelado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Dia

Dia

0

7

30

Coleta:

Colher urina isolada e enviar ao laboratório em frasco estéril, o material pode ser enviado refrigerado, quando respeitado a estabilidade analítica. Volume ideal: 10 mL Volume Mínimo: 8 mL ( por necessidade de confirmações)

Interpretação:

Exame destinado a pesquisar abuso de cocaína. A cocaína é uma droga de abuso, ingerida sob várias formas, amplamente distribuída pelo mundo, e utilizada por todas as classes sociais. Funciona como um estimulante do sistema nervoso central. Os efeitos da droga iniciam poucos minutos depois do uso, e atingem pico em cerca de 15-30 minutos. Na forma pura, a cocaína tem uma meia vida de 1-2 horas, mas seu metabólito benzoilecognina apresenta meia vida de 7-9 horas, podendo ser detectado na urina a partir de 2-3 horas do uso até 3 a 5 dias. Existe considerável variabilidade em relação ao período em que se podem detectar os metabólitos da cocaína após o último contato com a droga. Fatores como peso, ingestão de líquidos, contumácia e uso de outras substâncias podem interferir, contribuindo para aumentar ou diminuir a capacidade de detecção. Em usuários da droga, é possível a detecção até 12 dias após o último uso. Sinônimos: Merla, Crack Indicação: avaliação de uso agudo ou crônico de cocaína. Interpretação clínica: A excreção sofre a influência de diversos fatores relacionados a substancia pesquisada, como uso agudo ou crônico e dose, e de condicões inerentes ao paciente, como hidratação. Resultados positivos obtidos em testes de triagem devem ser inter pretados com cautela, e, na ausência de correlação clinico laboratorial, deverá ser empregada a metodologia confirmatória. Sugestão de leitura complementar: Charles W Schindler, Steven R Goldberg. Accelerating cocaine metabolism as an approach to the treatment of cocaine abuse and toxicity. Fut Med Chem. 2012; 4(2): 163-75. Scott J. Moeller, Thomas Maloney, Muhammad A. Parvaz, et al. Impaired insight in cocaine addiction: laboratory evidence and effects on cocaine-seeking behaviour. Brain. 2010; 133(5): 1484-93.

Referência:

VALORES DE REFERÊNCIA:

Cocaína:
Limite de quantificação: 25 ng/mL
Incerteza de medida: 3,3 ng/mL

Benzoilecgonina:
Limite de quantificação: 25 ng/mL
Incerteza de medida: 3,9 ng/mL