MICROALBUMINÚRIA - 24h

Código:

MIC24

Sinônimo:

Microproteinúria 24 hroas

Material:

Urina 24h

Volume:

3,0 mL

Método:

Imunoturbidimetria

Volume Lab:

4 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

48h

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Dia

Dia

Dia

1

14

150

Coleta:

Volume colhido em 24 horas. Enviar uma alíquota no tubo transporte de no mínimo 3,0 mL junto com a informação do volume urinário. Não há necessidade de conservante. Exercícios físicos podem aumentar a excreção de albumina.

Interpretação:

A nefropatia diabética franca é precedida pela presença de pequenas quantidades de albumina urinária não detectadas pelos métodos convencionais, tendo por isto sido determinada de microalbuminúria. A determinação da microalbuminúria é útil no acompanhamento do diabetes mellitus desde o diagnóstico, a fim de acompanhar e tomar as medidas necessárias para evitar ou retardar o estabelecimento de doença renal diabética franca. Pode-se efetuar uma triagem para nefropatia diabética através de amostra de urina, que pode ser aleatória ou a primeira da manhã. A concentração de albumina é determinada por nefelometria em mg/L ou pela relação albumina/creatinina (mg/g de creatinina). Um valor acima de 17mg/L de albumina na urina tem uma sensibilidade de 100% e especificidade de 80% para a presença de microalbuminúria. Pode-se confirmar os casos positivos de microalbuminúria encontrados em amostra única em urina de 12 horas noturna, que não sofre a influência de exercícios, sendo o mais indicado, ou na urina de 24 horas. Para firmar o diagnóstico, recomenda-se que, num período de seis meses, sejam encontrados pelo menos de dois a três resultados alterados, para descartar variações técnicas e oscilações da excreção de albumina. Sinônimos: Microalbuminúria Indicações: Avaliação de função glomerular renal Interpretação clínica: microalbuminúria: de 30 a 300 mg/24h; acima de 300mg/24h já é macroalbuminúria. A microalbuminúria é marcador precoce de lesão glomerular renal e, assim, aumenta no lupus eritematoso sistêmico, hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus e outras doenças que cursem com alteração glomerular, antecedendo em 10 anos a proteinúria e em 20 anos a doença renal terminal. Aumenta, também, na pré eclâmpsia. Tendo em vista que a excreção de albumina varia ao longo do dia (sendo maior no final da tarde e após exercícios, e menor pela manhã), amostras isoladas ou em períodos menores que 24h (sendo o ideal o de 12 horas noturno) devem ser avaliadas com cuidado e, preferencialmente, correlacionadas com a creatinina nesta mesma amostra. Sugestão de leitura complementar: National Kidney Foundation. Testing for chronic kidney disease: a position statement from the National Kidney Foundation. Am J Kidney Dis. 2007;50:169-80 Satchell SC; Tooke JE. What is the mechanism of microalbuminuria in diabetes: a role for the glomerular endothelium? Diabetologia 2008; 51(5): 714-25

Referência:

Normal : < 30,0 mg/24h