HAEMOPHILUS DUCREYI - Pesquisa

Código:

HEMOF

Sinônimo:

GRAM para H. Ducreyi

Material:

Secreção Genital

Volume:

2 lâminas

Método:

Microscopia (Coloração de Gram)

Volume Lab:

2 lâminas

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

Pouco material na lâmina.

48 horas

Temperatura:

Ambiente

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

0

72

0

Coleta:

Material colhido de lesão. Realizar a coleta do material, preferencialmente com alça descartável ou swab estéril e posteriormente fazer o esfregaço em Lâmina identificada com as iniciais do paciente. O esfregaço deve ser preparado em movimento espiral leve, de dentro para fora, não passando o swab duas vezes no mesmo local da lâmina (não sobrepassar), deixar secar em temperatura ambiente e acondicionar em porta lâminas identificado. OBS: Coletar pelo menos 2 lâminas!!! Exame não realizado em STUART apenas em Lâminas.

Interpretação:

Exame complementar ao diagnóstico clínico da doença sexualmente transmissível (DST) cancro mole. Tem valor limitado devido ás suas baixas sensibilidade e especificidade. Indicação: Diagnóstico diferencial de DST, quando há características clínicas de cancro mole. Interpretação clínica: Embora a microscopia seja útil quando há grande quantidade do cocobacilo Gram-negativo com as características típicas do Haemophilus Ducreyi, tem baixa sensibilidade (5% a 63%) e especificidade (51% a 99 %). A amostra é coletada após limpeza da superficie da lesão com gaze umedecida em soro fisiológico, raspando-se suavemente a superfície da lesão até comecar a sair a serosidade. Deposita-se, então, algumas gotas sobre uma lamina de vidro limpa e se prepara um esfregaço uniforme. Deixa-se secar a temperatura ambiente e, após seco, embrulha-se em papel. As lâminas prontas são estáveis à temperatura ambiente por tempo indeterminado. Sugestão de leitura complementar: Alfa M. The laboratory diagnosis of Haemophilus ducreyi. Can J Infect Dis Med Microbiol 2005; 16(1): 31-4. Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis, Manual de bolso. Coordenação Nacional de DST e Aids Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde - Brasil. 2006. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_doencas_sexualmente_transmissiveis.pdf, consulta em 12 de abril de 2014.

Referência:

Negativo