FOCALIZAÇÃO ISOELÉTRICA DA TRANSFERRINA

Código:

CDG

Sinônimo:

Def.congênitas Glicosilação - Transf.def. carboid.

Material:

Soro congelado EXT

Volume:

2,0 mL

Método:

Cromatografia de afinidade / Espectrometria de massas em tandem

Volume Lab:

2,0 mL

Rotina:

Resultado em:

Interferentes:

Hemólise

30 dia(s)

Temperatura:

Congelado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Dia

Dia

0

28

45

Coleta:

Jejum não obrigatório. - Colher 4,0 mL de sangue em tubo sem gel separador e sem anticoagulante. Para o processamento e a adequação da amostra, é necessário: - Aguardar 30 minutos - Centrifugar a 2200 g por 10 minutos a 18 ºC - Aliquotar o soro em tubo seco de alíquota padrão (Vacuette) e enviar congelado. Amostra NÃO pode estar hemolisada.

Interpretação:

Este exame pode ser realizado para suspeita de Deficiências congênitas de Glicosilação (indicação somente nos casos de sintomas sugestivos de uma Alteração Congênita de Glicosilação). Os defeitos congênitos da glicosilação classificam-se em pelo menos 17 diferentes tipos, dependendo do nível de defeito na cadeia de glicosilação da glicoproteína e de seu conteúdo de carboidrato. Todos os casos de ANEMIA ou suspeita de abuso de álcool, não tem ligação com este exame.

Referência:

Valores de referência

Razão Mono-oligo/Di-oligo: Inferior ou igual a
0,06
Razão A-oligo/Di-oligo : Inferior ou igual a
0,48.
Indeterminado
Relação Mono-oligo/Di-oligo: 0,07-0,09

Relação A-oligo/Di-oligo: 0,012-0,021
Relação Tri-sialo/Di-oligo: 0,06-0,12
Relação Apo CIII-1/Apo CIII-2: 2,92-3,68
Relação Apo CIII-0/Apo CIII-2: 0,49-0,68

Alterado
Relação Mono-oligo/Di-oligo: Igual ou superior a
0,10
Relação A-oligo/Di-oligo:Igual ou superior a 0,022
Relação Tri-sialo/Di-oligo: Igual ou superior a
0,13
Relação Apo CIII-1/Apo CIII-2: Igual ou superior a
3,69
Relação Apo CIII-0/Apo CIII-2: Igual ou superior a
0,69