DETECÇÃO DO VÍRUS DA INFLUENZA A (H1N1)

Código:

H1N1

Sinônimo:

Subtipo H1N1, detecção por PCR

Material:

Secrecao

Volume:

3,0 mL

Método:

RT-PCR em Tempo Real

Volume Lab:

3,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

5 dia(s)

Temperatura:

Congelado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Dia

0

24

7

Coleta:

Realizado em: aspirado nasofaringeo, secreção de orofaringe e nasofaringe. Informações Gerais : O teste de detecção e caracterização do vírus H1N1 (Influenza A) utilizado no Laboratório Álvaro é a técnica preconizada pela Organização Mundial da Saúde. A sensibilidade e especificidade do método dependem da quantidade e qualidade de material enviado para a análise. Por isso, sua coleta e transporte são essenciais para o diagnóstico adequado. Instrução de coleta: As amostras de secreções respiratórias devem ser coletadas preferencialmente no 3º dia após o início dos sintomas e no máximo até o 7º dia. Observações: - O swab utilizado NÃO pode conter extremidade de algodão e/ou alça de madeira e/ou com alginato de cálcio. Estes materiais inibem a reação utilizada para a detecção do H1N1. - O swab DEVE ser de RAYON com hastes de PLÁSTICO ESTÉREIS. - Preferencialmente, utilizar a técnica de aspirado de nasofaringe com frasco coletor de secreção, pois a amostra obtida por essa técnica pode concentrar maior número de células. ENVIO: As amostras coletadas devem ser mantidas em temperatura adequada de refrigeração e encaminhadas ao Laboratório no mesmo dia da coleta. Caso o prazo entre a coleta e execução do exame ultrapasse 24h encaminhar as amostras CONGELADAS. - Acondicionado dentro do tubo falcon fechado com (3 mL ) Solução Salina 0,85% (Solução Fisiológica 0,85%) ; - Material deve ser identificado corretamente com a etiqueta com nome do paciente e espécime do material de coleta; - Observar quando necessário o envio de mais de um swab (de locais de coleta diferentes) Naso e Orofaringe acondicionar no mesmo frasco.

Interpretação:

O método de transcrição reversa seguida da Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) em tempo real permite o diagnóstico rápido da infecção pelo vírus A (H1N1). Indicações: Pacientes suspeitos internados em tratamento com antiviral e que apresentem a pesquisa rápida ou imunofluorescência negativas, sem a probabilidade de outros vírus respiratórios causando a síndrome gripal é baixa. Interpretação clínica: São pesquisados os vírus Influenza A sazonal e Influenza A H1N1. O exame pode apresentar, embora raramente, resultados falso-positivos e falso-negativos, o que é uma característica do método. Sugestão de leitura complementar: Treanor JJ. In: Mandell, Douglas, and Bennett's Principles and Practice of Infectious Diseases. 7th ed,2010:2265-88.

Referência:

Não Detectado