CARBAMAZEPINA

Código:

CARBA

Sinônimo:

Tegretol; Dosagem/Monitormamento de Carbamazepina;

Material:

Soro TOX

Volume:

1,0 mL

Método:

Imunoensaio de inibição turbidimétrico melhorado de partículas homogêneas (PETINIA)

Volume Lab:

3,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

2 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

0

48

0

Coleta:

Jejum não necessário. Colher sangue antes da próxima dose do medicamento. Amostra deve ser refrigerada após a coleta ********* Importante ********* Volume mínimo 3,0 mL Critérios de rejeição: -Amostra sem identificação; -Amostra inadequada (hemólise ou lipemia); -Tubo de coleta danificado; -Amostra coagulada; -Contaminação evidente na amostra.

Interpretação:

Exame utilizado na monitoração do tratamento da epilepsia com a carbamazepina. Após administrada é absorvida quase completamente, porém, de maneira relativamente lenta. O pico plasmático médio da substância inalterada é 12 horas após uma dose oral única. Indicações: Quantificação de carbamazepina no sangue Interpretação clínica: Após administrada é absorvida quase completamente, porém, de maneira relativamente lenta. O pico plasmático médio da substância inalterada é 12 horas após uma dose oral única. Podem aumentar a concentração: uso de medicamentos que inibam o sistema citocromo p450, como izoniazida, fluoxetina, propoxifeno, verapamil, danazol, cimetidina, eritromicina, lítio e ácido valpróico, entre outras. Ao contrário , medicamentos que induzam o sistema citocromo p450 podem diminuir a sua concentração. Sugestão de leitura complementar: Carbamazepina. Disponível em http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=11050692013&pIdAnexo=1925116, consulta em 26 de janeiro de 2015. Carbamazepina. Goodman & Gilman. As bases farmacológicas da terapêutica. 10 ed, Rio de Janeiro, McGraw-Hill. 2005.

Referência:

Concentração terapêutica: 4,0 a 12,0 ug/mL