CAPTURA HÍBRIDA PARA HPV ALTO E BAIXO RISCO

Código:

HPVCA

Sinônimo:

Sondas baixo e alto risco, papilomavirus

Material:

Meio de transporte (Digene)

Volume:

3,0 mL

Método:

Captura Híbrida - (HC2 HPV DNA) - Digene

Volume Lab:

3,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

5 dia(s)

Temperatura:

Ambiente

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

72

168

0

Coleta:

Realizado em: secreção do trato genital feminino, masculino, anal, bucal e biópsia (tubo Digene). O tubo coletor Digene deve ser enviado com a escova coletora, exceto no caso de biópsia. Coleta para HPV Masculino e Feminino (diversas regiões): *FEMININO - Realizar a introdução do espéculo para a coleta de secreção vaginal e endocervical; - Paciente deve estar na posição ginecológica (confortável) e orientá-la quanto ao procedimento, (demonstrar como será utilizado o espéculo); - Para pacientes menopausada, utilizar gel lubrificante; - Fazer a abertura dos grandes e pequenos lábios e introduzir o espéculo na posição vertical lentamente no introito vaginal; - Ao ultrapassar a barreira do introito vaginal, girar para a posição horizontal e abrir delicadamente o espéculo, procurando causar menor desconforto possível; - Utilizar o auxílio do foco de luz e localizar o colo uterino, guiando-se pela parede vaginal superior; - Realizar a coleta do material das regiões de acordo com a solicitação médica; - Retrair o espéculo para não comprimir o colo do útero, fechá-lo totalmente dentro do canal vaginal e retirar delicadamente. A) REGIÃO ENDOCERVICAL 1. Remover o excesso de muco da região da ectocérvix com gaze, caso necessário; 2. Retirar a escova cervical do Kit Digene tendo o cuidado para não tocar em nenhuma superfície; 3. Coletar a secreção da região endocervical, introduzir a escova na região endocervical, devendo realizar 5 movimentos rotatórios no mesmo sentido; 4. Abrir a tampa do tubo de transporte (do Kit) e colocar imediatamente a escova cervical no tubo, quebrar a haste e tampar o tubo logo em seguida; 5. Homogeneizar o tubo por 30 segundos em movimentos circulatórios; 6. Identificar o tubo com a etiqueta de código de barras; 7. Caso a paciente utilizar dispositivo intra uterino (DIU) proceder a coleta de acordo com o campo de observação abaixo: Obs.: Em GESTANTES (qualquer idade gestacional), o espéculo pode ser utilizado normalmente, mas NÃO deve ser introduzido qualquer tipo de swab na região endocervical; Em pacientes que utilizam dispositivo intra uterino (DIU) atentar para a presença do fio no endocervix e no caso de resistência ao girar a escova interromper e retirar a escova com cuidado; B) REGIÃO VULVAR 1. Coletar com escova do Kit Digene somente a região vulvar (interna e externa); 2. Na região da mucosa interna (pequenos e grandes lábios) deve-se coletar com a escova realizando movimentos rotatórios; 3. Na região da pele, umedecer a área com o líquido do tubo de salina, proceder a coleta com a escova em movimento unidirecional (de cima para baixo) por 3 vezes; 4. Em seguida, realizar os mesmos procedimentos do item 4 a 6 do item acima (A). 5. Caso a paciente tenha outros exames da região genital (ex.: bacterioscópico, cultura e citologia oncótica) os mesmos devem ser coletados primeiramente, deixando o exame de HPV por último. C) REGIÃO VAGINAL ou quando o médico não especificar a região a ser coletada 1. Realizar a coleta do trato genital inferior (colo, vagina e vulva); 2. Remover o excesso de muco da região da ectocérvix com gaze caso necessário; 3. Retirar a escova cervical do kit, tendo o cuidado de não tocar em nenhuma superfície; 4. Coletar com o Kit Digene das seguintes regiões: endocérvix, vagina e vulva; 5. Com um único kit e a mesma escova, coletar a secreção das seguintes regiões nesta mesma ordem: 5.1. Introduzir a escova na região endocervical e rodá-la 5 vezes no sentido horário para o Kit Digene; 5.2. A seguir, coletar das paredes vaginais e por fim da vulva; 6. Em seguida, realizar os mesmos procedimentos do item 4 a 6 do item (A). 7. Caso a paciente tenha outros exames da região genital (ex.: bacterioscópico, cultura e citologia oncótica) os mesmos devem ser coletados primeiramente, deixando o exame de HPV por último. D) QUANDO O MÉDICO SOLICITAR DE DUAS OU MAIS REGIÕES 1. Coletar um Kit Digene para cada região solicitada; 2. Em seguida, realizar os mesmos procedimentos do item 4 a 6 do item (A). Obs.: Na presença de feridas ou lesão em qualquer região, o material deverá ser coletado ao seu redor. *MASCULINO - Coletar as regiões de acordo com a solicitação médica. E) REGIÃO URETRAL 1. Sentar o cliente ou recostá-lo para que se em algum momento se sentir mal seja amparado; 2. Retrair o prepúcio e comprimir o pênis da base para o meato, aos poucos; 3. Introduzir aproximadamente 1,5 cm a escova do Kit Digene no canal uretral, realizar o movimento rotatório, retirando-o em seguida; 4. Realizar os mesmos procedimentos do item 4 a 6 do item (A). Obs.: Não realizar antissepsia prévia. F) QUANDO O MÉDICO SOLICITAR DE DUAS OU MAIS REGIÕES 1. Coletar um Kit Digene em cada região solicitada; 2. Abrir a tampa do tubo de transporte (do Kit) e colocar imediatamente a escova cervical no tubo, quebrar a haste e tampar o tubo logo em seguida; 3. Homogeneizar o tubo por 30 segundos em movimentos circulatórios; 4. Identificar o tubo com a etiqueta de código de barras; 5. Caso o paciente tenha outros exames da região genital (ex.: bacterioscópico, cultura e etc) os mesmos devem ser coletados primeiro, deixando o exame de HPV por último; Obs.: Não realizar antissepsia prévia. Na presença de feridas ou lesão em qualquer região, o material deverá ser coletado ao seu redor. F) QUANDO O MÉDICO NÃO ESPECIFICAR A REGIÃO A SER COLETADA 1. Sentar o cliente ou recosta-lo para que se em algum momento se sentir mal esteja amparado; 2. Realizar a coleta das seguintes regiões: 2.1. Glande (cabeça do pênis); 2.2. Prepúcio interno (pele que recobre a glande); 2.3. Sulco bálamo prepucial (sulco presente ao retrair o prepúcio, iniciando no arco uretral); 3. Realizar a coleta das 3 regiões com a mesma escova do Kit Digene; 4. Abrir a tampa do tubo de transporte e colocar imediatamente a escova cervical no tubo, quebrar a haste e tampar o tubo logo em seguida; 5. Homogeneizar o tubo por 30 segundos em movimentos circulatórios; 6. Identificar o tubo com a etiqueta de código de barras; 7. Caso o paciente tenha outros exames da região genital (ex.: bacterioscópico, cultura e etc) os mesmos devem ser coletados primeiro, deixando o exame de HPV por último; Obs.: Não realizar antissepsia prévia. G) REGIÃO ANAL (FEMININO E MASCULINO) 1. O cliente não necessita de nenhum preparo prévio; 2. Posicionar o cliente em decúbito lateral mantendo a perna superior dobrada; 3. Introduzir cuidadosamente a escova na mucosa anal cerca de 1,5 cm e realizar 1 movimento rotatório; 4. Em seguida, realizar os mesmos procedimentos indicados nos números 7 a 9 do item F. H) REGIÃO ORAL (FEMININO E MASCULINO) 1. O cliente não necessita de nenhum preparo prévio; 2. Posicionar o cliente sentado; 3. Usar o foco de luz e verificar a presença de lesão na cavidade oral, caso não apresente nenhuma lesão realizar a coleta da língua e buchecha; 4. Homogeneizar o tubo por 30 segundos em movimentos circulatórios; 5. Identificar o tubo com a etiqueta de código de barras; I) BIÓPSIAS 1. Não deve ter mais que 5 mm de diâmetro; 2. Colocar a biópsia dentro do tubete do Kit Digene; 3. Manter em temperatura ambiente; 4. Não pode ser realizado HPV por captura híbrida em biópsias acondicionadas em formol ou bloco de barafina. **ACONDICIONAMENTO DO MATERIAL (QUALQUER REGIÃO) O Kit de coleta deverá permanecer em temperatura ambiente após a coleta; No caso de biópsias, caso o material não seja encaminhado dentro de 24 horas, deve-se congelá-lo (- 20ºC). Nota: Os kits para coleta variam de acordo com a padronização de cada marca: Kit Digene (masculino e feminino).

Interpretação:

O Papiloma vírus Humano (HPV), comumente transmitido por via sexual, é responsável pelo surgimento de diversas doenças, como verrugas genitais, neoplasias cervical, vulvar, anal e de orofaringe. Estima-se que todo câncer cervical é derivado de uma infecção persistente do HPV. Com as técnicas moleculares, é possível monitorar o paciente de acordo com o risco oncogênico da infecção. Dentre as técnicas de hibridização molecular, a Captura Híbrida permite classificar os tipos de HPV em grupos de risco para o desenvolvimento de câncer cervical. O grupo A possui sondas para os tipos de HPV de baixo risco 6, 11, 42, 43 e 44 e o grupo B possui sondas para os de alto risco 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59 e 68. A associação dos tipos 16, 18, 31, 33 e 35 tem sido detectada em aproximadamente 70% dos casos de câncer do colo e, em 5% dos casos, nenhuma seqüência genômica de HPV é identificada.

Referência:

Detectado: Acima de 3,00 RLU/CO
Inconclusivo: Entre 1,00 e 3,00 RLU/CO
Não Detectado: abaixo de 1,00 RLU/CO