CA 125 II

Código:

CA125

Sinônimo:

CA-OV, neoplasias de ovário e endométrio

Material:

Soro

Volume:

1,0 mL

Método:

Eletroquimioluminescência

Volume Lab:

1,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

Hemólise acentuada

1 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Dia

Hora

0

3

0

Coleta:

Preparo: Este exame não necessita de jejum. Recipiente: Tubo seco ou gel separador Coleta: Realizar coleta utilizando material e recipiente adequados. Aguardar 30 min para retração completa do coágulo. Centrifugar a amostra a 3200 rpm por 12 minutos e acondicionar corretamente.

Interpretação:

Uso: monitoramento de câncer ginecológico; avaliação de processos metastáticos de origem desconhecida. Marcador tumoral não específico, no entanto mais utilizado na monitoração terapêutica e detecção de recidivas de câncer de ovários. Pode estar elevado em outros tumores ginecológicos, como os de cérvice, endométrio e trompas, assim como nos carcinomas de mama, colon, fígado e pulmões. Sinônimos: Antígeno de Câncer 125, Marcador tumoral 125. Indicação: Diagnóstico de neoplasias metastáticas ou recorrentes, porém não sendo tecido ou órgão específico, mais utilizado em câncer de ovário. Indicado também no acompanhamento de pacientes com endometriose, na monitoração do tratamento. Interpretação clínica: Properatoriamente pode estar elevado nos estágios avançados do tumor. Se voltar a se elevar após a cirurgia e/ou outros tratamentos, sugere recidiva ou metástase. O CA 125 é um antígeno oncofetal com alto PM, correspondendo a glicoproteínas produzidas pelas células epiteliais ovarianas. Cerca de 1% da população geral e 6% dos indivíduos com patologias benignas podem apresentar discretas elevações de CA 125. Por outro lado, cerca de 80% dos pacientes com carcinoma ovariano apresentam elevações nos níveis séricos de CA 125, que parecem correlacionar com a extensão do tumor e prognóstico da doença. Mais de 50% dos casos de carcinoma ovariano são de origem epitelial. Seus níveis também podem se encontrar elevados em neoplasias ginecológicas não-malignas, e metástases de mama, cólon, pâncreas e pulmão. Seu principal uso se associa ao monitoramento de resposta ao tratamento de carcinoma ovariano. Níveis que não normalizam são indicativos de focos residuais. Aumento de níveis após tratamento ou cirurgia quase sempre representam recidiva do tumor. Contudo, alguns casos de recidiva ou presença de massa residual não elevam os níveis de CA 125. Adicionalmente, níveis elevados de CA 125 em períodos pós-cirúrgicos podem ser associados a sinal de menor prognóstico. A concentração sérica do CA 125 é superior a 35 U/mL em aproximadamente 80% das mulheres com carcinoma do ovário, 26% das mulheres com tumores benignos de ovário e em 66% de pacientes em condições não-neoplásicas, inclusive o primeiro trimestre da gravidez, fase folicular do ciclo menstrual, endometrioses, miomas uterinos, salpingites agudas, tuberculose pélvico-peritoneal, cirrose hepática, pancreatites e inflamações do peritônio, do pericárdio e da pleura.

Referência:

Inferior a 35,0 U/mL

Obs:Ac murino CA 125 c/ especificidade p/ Ac M11.
Consideração :
Este resultado não deve ser interpretado isolada -
mente.