CÁDMIO SANGUINEO

Código:

CADSA

Sinônimo:

Material:

Sangue - Tubo Trace EDTA ou Hep

Volume:

5,0 mL

Método:

ICP-MS

Volume Lab:

5,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

4 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

0

168

0

Coleta:

Coletar as amostras de sangue em uma das opções de Tubos Trace (Análise de Traços) com Conservantes Trace EDTA BD (Ref. 368381) ou Trace Heparina GBO (Ref. 456080); Encaminhar sob o acondicionamento adequado (Temperatura Refrigerada de 2 a 8ºC), sem contato direto com o gelo. Jejum não obrigatório. Colher na primeira hora da manhã antes do horário de trabalho.

Interpretação:

Uso: monitoração biológica da exposição ao cádmio; diagnóstico de intoxicação por cádmio. CÁDMIO NO SANGUE E NA URINA Útil na monitoração de trabalhadores sob risco de intoxicação pelo cádmio, estando disponíveis as análises sanguínea e urinária a critério do médico assistente, ao lado da dosagem de beta-2-microglobulina como marcador de danos renais. A concentração do cádmio aumenta com a idade devido a meia-vida de 10 a 30 anos, o que piora com o hábito de fumar. Indicação: Monitoração da intoxicação pelo cádmio Interpretação clínica: Níveis acima do Índice biológico máximo permitido (IBPM) podem provocar toxicidade. O cádmio acumula-se a nível tecidual, principalmente nos rins e fígado. No sangue, está presente principalmente nos eritrócitos (>95%). Indivíduos fumantes possuem níveis de cádmio mais elevados no sangue do que os não-fumantes. A exposição aguda pela inalação resulta em sintomas respiratórios agudos (edema pulmonar, pneumonia intersticial proliferativa, colapso cardíaco). A ingestão crônica resulta em osteomalacia grave e disfunção renal semelhante a Fanconi. Sugestão de leitura complementar: Marinha MSS. Níveis de cádmio em sangue e urina dos habitantes do entorno de uma reserva ecológica no Pantanal Mato-grossense. Dissertação de mestrado. Escola Naiconal de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro. 2011. Prista J, Uvs AS. A utilização de indicadores biológicos em Saúde OcupacionalRev Port Saude Publ 2006;6:45-54.

Referência:

Não fumantes: 0,3 a 1,2 ug/L
Fumantes: 0,6 a 3,9 ug/L

Metodologia desenvolvida e validada pelo laborató-
rio de acordo com a RDC 302 de 13/10/2005,Art.
5.5.5.1.