ÁCIDO TRICLORO ACÉTICO

Código:

TRIA

Sinônimo:

TCA, Tetracloreto de Etileno

Material:

Urinas manuais pré jornada

Volume:

5,0 mL

Método:

Espectrofotometria UV-VIS

Volume Lab:

5,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

5 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

0

120

0

Coleta:

Coletar urina no final do último dia de jornada de trabalho, quando for solicitado urina pós jornada. Nos casos da solicitação de urina pré jornada, coletar urina de pré jornada de trabalho. Enviar a amostra em tubo de transporte. Critérios de rejeição: -Amostra sem identificação; -Material inadequado; -Volume insuficiente; -Tubo aberto; -Contaminação da amostra; -Tubo de coleta danificado.

Interpretação:

O ácido tricloroacético é usado para a precipitação de macromoléculas como proteínas, DNA e RNA em laboratórios. O sal de sódio é usado como herbicida. Soluções contendo ácido tricloroacético como ingrediente são usadas para remoção de tatuagens e verrugas. Indicação: Avaliação de intoxicação da exposição ao tetracloroetileno. Interpretação clínica: Níveis acima do Indíce Biológico Máximo Permitido (IBMP) indicam intoxicação. O exame pode sere coletado antes e após a jornada de trabalho. Sugestão de leitura complementar: Tetracloroetileno. Disponível em http://www.atsdr.cdc.gov/toxfaqs/ToxFAQS_Foreign_Language_PDFs/tfacts18_portuguese.pdf, consulta em 02 d ejaneiro de 2015. Pedrozo MFM, Siqueira MEPB. Determinação espectrofotométrica e cromatográfica em fase gasosa de ácido tricloracético em urina. Rev. Saúde Pública 1996; 30(3): 19-27.

Referência:

IBMP*: 3,5 mg/L na exposição ao Tetracloroetileno.
*IBMP: Indíce Biológico Máximo Permitido (NR-7).

Metodologia desenvolvida e validada pelo laborató-
rio de acordo com a RDC 302 de 13/10/2005, Art.
5.5.5.1.

ATENÇÃO:Alteração de metodologia a partir de
24/08/15.

Metodologia antiga:
Cromatografia Líquida de Alto Desempenho (HPLC)