TESTE DO PEZINHO - PERFIL MASTER

Código:

PEMASTER

Sinônimo:

Material:

Papel filtro - sangue

Volume:

Preencher os circulos do Papel Filtro

Método:

Diversos

Volume Lab:

Preencher os circulos do Papel Filtro

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

6 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado Seco

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

0

168

0

Coleta:

Coleta em recém nascidos: 1.Solicitar a mãe ou ao acompanhante para permanecer de pé segurando o recém-nascido (RN) em pé (posição de arroto), de costas para o coletador (a), sendo que este, deve ficar sentado e de frente para quem segura o RN. O pezinho do bebê ficará aproximadamente na altura do rosto do coletor. 2.Fazer antissepsia do calcanhar do RN com swab de alcool a 70% massageando com delicadeza / suavemente. 3.Esperar o álcool secar completamente, antes de iniciar a coleta. 4. Segurar firme o calcanhar da criança, mas sem o imobilizar para não prender a circulação. 5. Utilizar de forma adequada a lanceta própria para punção de calcanhar. Punções superficiais promovem sangramentos insuficientes. 6. Com auxílio de gaze ou algodão asséptico, remover a primeira gota formada e iniciar a coleta no papel filtro a partir do segundo fluxo (segunda gota) de sangue 7. Preencher todos os círculos completamente, encostando delicadamente o verso do filtro na gota que se forma no calcanhar do bebê. Deixar o sangue fluir naturalmente, não realizar ordenha (não apertar o calcanhar) que pode liberar o plasma diluindo o material coletado e inviabilizar a amostra. 8. certificar-se de que todos os círculos estão sendo preenchidos e que o sangue flui adequadamente para o verso do filtro. 9. A camada de sangue deve ser fina e homogênea sem excesso ou manchas. Não encostar os dedos no círculo preenchido. 10. Nunca utilizar somente a frente do papel filtro para colher e no instante seguinte virá-lo para colher do verso. Este procedimento é totalmente inadequado. 11. Após a coleta deixar o filtro secar por 2 a 3 horas normalmente em Temperatura Ambiente, sem exposição a altas temperaturas ou a secagem forçada ou a umidade, e protegido da luz solar direta. 12. Embalar o kit papel filtro em envelope plástico zip lock e enviar a amostra ao laboratório, em contêiner refrigerado, porém posicionado de forma a não ficar encostado diretamente no gelo. 13. Não há necessidade de envolver as amostras em papel alumínio. 14. Não utilizar grampeador nos filtros colhidos. Grampos danificam as amostras inviabilizando-as para processamento analítico. ATENÇÃO: Não serão aceitas amostras: *Colhidas em papel filtro inadequado. Utilizar apenas o kit de coleta com papel específico. Nenhum outro tipo de papel filtro será aceito; *Danificadas por grampos, colas ou fitas adesivas; *Manchadas; *Rasgadas; *Amassadas; *Desconfiguradas /descaracterizadas. Não tentar construir um kit coleta juntando filtro de um modelo com formulário de outro. Encaminhar a amostra exatamente no kit onde procedeu a coleta; *Com formulários não preenchidos; *Molhadas por não terem completado o tempo mínimo de secagem antes de serem embaladas; *Com excesso de sangue formando faixa única e contínua.

Interpretação:

A coleta deve ser realizada na primeira semana de vida e não ultrapassar 30 dias ou conforme indicação médica (coleta tardia). Recém-nascidos que sofreram transfusão, colher o primeiro exame de 7 a 10 dias após a transfusão e o segundo exame 120 dias depois. Todos os dados devem ser corretamente preenchidos na Ficha do Kit, pois são fundamentais para garantir agilidade na liberação dos resultados.) Este perfil analisa 16 exames. Segue lista: - Fenilalanina - PKU - Cromatografia aminoácidos - Hemoglobinopatias - TSH - T4 - 17 OH - Triptisina - Biotinidase - Galactose - Toxoplasmose IgM - G6PD - CMV IgM - Rubéola IgM - Treponema Pallidum IgM - Trypanossoma cruzi IgG - Anticorpos Anti-HIV1 e Anti-HIV2

Referência:

Relação Fenil/Tirosina: Até 2,5

Fenilalanina: Até 2,5 mg/dL

Para amostras colhidas com menos de 48 horas de
vida,sugerimos a repetição da dosagem de fenilala-
nina em nova amostra de sangue em papel filtro.
Cromatografia aminoácidos : Normal
Método: Cromat. Líq - Espectr. de Massa LC-MS/MS
Aminoacidopatias investigadas:
Hiperfenilalaninemia, Homocistinuria, Hipermetio-
ninemia, Hiperargininemia, Hiperornitinemia,
Tirosinemia, Hipervalinemia, Xarope de bordo e
Hiperglicinemia.

O presente teste tem como objetivo a triagem neo-
natal. Na ausência de correlação clínico laborato-
rial sugere-se, a critério médico, que alterações
detectadas, por conta de todas as variáveis bioló-
gicas e analíticas, devem ser confirmadas por
técnica quantitativa, em nova amostra, para con-
clusão diagnóstica.
Hemoglobinopatias
Método: Cromat. Líq - Espectr. de Massa LC-MS/MS
Fenótipos neonatais de hemoglobinas frequentes:
Hb FA: Padrão Normal
Hb FS: Padrão Anemia Falciforme
Interação hemoglobina S com Talassemia
Beta(S-Beta zero)
Interação hemoglobina S com PHHF
Hb FAS: Traço Falcêmico
Hb FSA: Interação hemoglobina S com Talassemia
Beta (S-Beta+)
Hb FC: Padrão Hemoglobinopatia C
Hb FAC: Traço Hemoglobinopatia C
Hb FD: Padrão Hemoglobinopatia D
Hb FAD: Traço de Hemoglobinopatia D
Hb FE: Padrão Hemoglobinopatia E
Hb FAE: Traço de hemoglobina E
Hb FSC: Padrão Hemoglobinopatia SC e outras.
Hb AF: Compatível com casos de transfusão
ou crianças com idade superior a 2 meses.

Recém-natos transfundidos ou prematuros deverão
ser reavaliados após 4 meses.
TSH - Neonatal: Até 10,0 uUI/mL
Método:Cromatografia Líquida de Alta Performance.
T4 - Neonatal 6,0 a 22,1 ug/dL
Método: Imunofluorimétrico
17 OH Progesterona:
Método: Imunofluorimétrico
Recém nato a termo: Até 10,0 ng/mL
Recém nato prematuro: Até 15,0 ng/mL
Tripsina Imunoreativa:
Método:Imunofluorimétrico
de 2 a 14 dias: Inferior a 90,0 ng/mL
Após 14 dias : Inferior a 70,0 ng/mL


Galactose: Até 10,0 mg/dL
Método: Imunofluorimétrico
Biotinidase: Acima de 71,4 U/dL
Método: Fluorimetria
Toxoplasma - Ac. IgM : Não reagente
Método: Ensaio Imunofluorimétrico

OBS: Em caso de resultado REAGENTE sugerimos a
dosagem sérica no recém-nato para esclarecimento
diagnóstico, a critério médico.
G6PD: Acima de 20,5 U/dL
Método: Ensaio imunoenzimático
OBS:Em caso de resultado deficiente sugerimos a
confirmação através da dosagem da atividade da
G6PD no sangue venoso.
Método: Fluorimetria
Citomegalovirus - Ac. IgM : Não reagente

OBS: Em caso de resultado REAGENTE sugerimos a
dosagem sérica no recém-nato para esclarecimento
diagnóstico, a critério médico.
Rubeola - Anticorpos IgM : Não reagente
Método: Enzimaimunoensaio

OBS:Em caso de resultado REAGENTE sugerimos a
dosagem sérica no recém-nato para esclarecimento
diagnóstico, a critério médico.
Treponema pallidum Ac. IgM : Não reagente
Método: Enzimaimunoensaio
OBS: Em caso de resultado REAGENTE sugerimos a
dosagem sérica no recém-nato para esclarecimento
diagnóstico, a critério médico.
Método: Ensaio imunoenzimático
Trypanossoma cruzi - Ac. IgG : Não reagente

OBS: Em caso de resultado REAGENTE sugerimos a
dosagem sérica no recém-nato para esclarecimento
diagnóstico, a critério médico.
Método:Ensaio imunoenzimático
Anticorpos Anti HIV-1 e Anti HIV-2
Não reagente : ausência de anticorpos do HIV
Reagente : presença de anticorpos do HIV
Metodo: Enzima imunoensaio
ATENÇÃO:Alteração da metodologia a partir de
27/03/2019.
Metodologia antiga: Quimioluminescencia