RESISTÊNCIA A PROTEÍNA C ATIVADA (RPCA)

Código:

RES

Sinônimo:

Material:

Plasma citratado EXT

Volume:

3,0 mL

Método:

Detecção de Coágulo

Volume Lab:

2,0 mL

Rotina:

Resultado em:

Interferentes:

30 dia(s)

Temperatura:

Congelado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Dia

Dia

Dia

0

0

15

Coleta:

Separar o plasma e congelar a amostra logo após a coleta.

Interpretação:

Referência:

Superior a 1,5

Resultado obtido inferior ou igual a 1,5 pode ser
ser indicativo da presença de mutação do fator V
de Leiden.O resultado não deve ser interpretado
isoladamente,sendo necessária a confirmação com
uso de técnicas de biologia molecular.
A resistência a proteína C ativada está associada
a uma mutação de ponto no gene do fator V(ex:Fator
de V de Leiden). A mutação provoca uma substitui-
ção do aminoácido arginina 506 ® pela glutamina(Q)
na proteína do fator V.Esta mutação retarda a ina-
tivação do fator V pela resistência a proteína C
ativada, provocando, assim, um aumento do tempo da
coagulação.
A existência da mutação no fator V de Leiden é uma
das causas mais comum de trombofilia hereditária.
Porém, em alguns casos também pode ser ocasionada
por outras mutações no gene do fator V, como o FV
Cambridge e o FV de Hong Kong.