OXALATO (ácido oxálico) - urina amostra isolada

Código:

OXALISO

Sinônimo:

Oxalato, oxalúria

Material:

Urinas Manuais - Ácidos

Volume:

5,0 mL

Método:

Enzimático colorimétrico

Volume Lab:

5,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

Ácido ascórbico +, ingestão de proteína animal, purinas, gelatina, cálcio, morangos, pimenta, tomates, ruibarbo, feijões, chás, chocolate, cacau, espinafre e acerola +, hábitos vegetarianos (a despeito do baixo consumo de proteína animal) +, má coleta da amostra de 24 horas +/-.

15 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Dia

Mes

0

30

2

Coleta:

Urina amostra isolada de qualquer micção com intervalo de 2 horas ou a critério do medico assistente. O 1º jato de urina deve ser desprezado, coletar o 2º jato. Enviar a amostra em tubo de transporte. - Dois (2) dias antes do início da coleta e no terceiro dia, quando a coleta da urina será realizada, o paciente deverá abster-se de qualquer substância que contenha vitamina C, como: Abacaxi, Acerola, Tomate, Espinafre, Gelatina, Laranja, Limão, Morango. - Algumas medicações que contenham Vitamina C podem alterar o resultado do exame. Evite o uso desses medicamentos durante o período de dieta e coleta de material. Medicamentos prescritos só devem ser suspensos a critério do médico assistente.

Interpretação:

Exame que faz parte da rotina de investigação de cálculos urinários de repetição, útil na avaliação das alterações que cursam com hiperabsorção, excreção ou alterações do metabolismo do ácido oxálico. Existem dois tipos de oxalúria endógena primária: o tipo I é uma doença autossômica recessiva com aumento da produção de oxalato devido a defeito do metabolismo do glicooxalato que leva a oxalose sistêmica e insuficiência renal; o tipo II caracteriza-se por aumento da excreção de ácido oxálico e glicérico, raramente evoluindo para insuficiência renal. Indicações: Avaliação de alterações da absorção, metabolismo e excreção do oxalato. Interpretação clínica: Hiperoxalúria ocorre em casos de mal absorção, como nos casos de cirurgias de retirada do intestino delgado. Existe associação entre aumento de excreção urinária de oxalato e formação de cálculos renais, porém, devido às alterações frequentes dos níveis de oxalato urinário dependentes da dieta e uso de medicamentos ( vitamina C em especial ) torna-se um método pouco específico para estabelecer este diagnóstico, sendo solicitado após terem excluídas perdas minerais geradoras de cálculos, como hipercalciúria. Sugestão de leitura complementar: Curhan GC. Epidemiology of stone disease. Urol Clin North Am. 2007;34:287-93 Massey LK, Liebman M, Kynast-Gales SA. Ascorbate increases human oxaluria and kidney stone risk. J Nutr. 2005;135:1673-7.

Referência:

Relação Oxalato/Creatinina
Até 6 meses - 88 a 260
7 a 24 meses - 39 a 110
2 a 5 anos - até 81
5 a 14 anos- até 65
Acima de 14 anos - até 32