IMUNOGLOBULINA A (IgA) - LCR

Código:

IGAL

Sinônimo:

IgA quantitativa, IgA.

Material:

Liquor EXT

Volume:

3,0 mL

Método:

Nefelometria

Volume Lab:

3,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

7 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Dia

Dia

0

8

180

Coleta:

Orientações de coleta: 1 - Coleta realizada por procedimento médico. 2 - Enviar o material sob refrigeração (2ºC a 8ºC). 3 - O envio de amostra de líquor para este exame poderá ser feito em tubo de transporte, exceto quando cadastrado juntamente com exames de microbiologia, que obrigatoriamente deverá ser enviado no frasco original.

Interpretação:

Representante de 10 a 15 % das imunoglobulinas totais e predomina nos líquidos e secreções, como lágrimas, colostro, leite, secreções traqueobrônquicas, nasais e gastrointestinais. Sua estrutura pode variar, dando origem a duas subclasses: IgA1 e IgA2, a primeira mais encontrada no soro. Indicação: Auxílio diagnóstico e acompanhamento em doenças que cursam com aumento ou redução dos níveis de IgA, como na deficiência de IgA, doenças autoimunes e mieloma, entre outras. Interpretação clínica: Pode estar aumentada em relação a outras imunoglobulinas em mieloma gama-A (componente A), cirrose hepática, infeccões crônicas, artrite reumatóide, LES, sarcoidose, síndrome de Wiskott-Aldrich, neoplasias do trato gastrointestinal, exercícios e alcoolismo. Pode estar diminuída na telangiectasia hereditária, disgamaglobulinemia tipo III, má-absorcão, LES, cirrose hepática, doenca de Still, mieloma não Ig-A, macroglobulinemia de Waldenstrom, imunodeficiência adquirida ou primária, contraceptivos orais, anticonvulsivantes, tolueno, xilol, metilprednisolona e mesmo em indivíduos normais. Está diminuída, em combinacão com a redução de outras imunoglobulinas, nos seguintes casos: agamaglobulinemia adquirida, primária ou secundária, agamaglobulinemia congênita, aplasia tímica hereditária, disgamaglobulinemia tipo I (IgG e IgA baixas e IgM alta), disgamaglobulinemia tipo II (IgA e IgM ausentes e IgG normal)e, ainda, no início da infância sem representar qualquer doença. Quando positiva no liquor nem sempre é indicativa de infecção do sistema nervoso central (SNC), uma vez que as imunoglobulinas podem ultrapassar a barreira hemato-encefálica. Para determinar se a produção destas ocorre por parte deste ou não, são usados índices que levam em consideração a concentração de albumina e imunoglobulinas no líquor e no soro, concomitantemente. O resultado visa detectar uma das três situações: se sofreram passagem ativa, se foram produzidos no SNC, ou se ambas as situações coexistem. Sugestão de leitura complementar: Bethina Sanches Rúpolo, João G. Sprot Mira, Orlei Kantor Junior. Deficiência de IgA. J. pediatr. (Rio J.). 1998; 74(6): 433-40.

Referência:

Inferior a 0,5 mg/dL