ESTRIOL - E3

Código:

ESTRI

Sinônimo:

E3, estrógenos em gestantes

Material:

Soro

Volume:

2,0 mL

Método:

Quimioluminescência

Volume Lab:

2,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

Ictéricia (concentrações de bilirrubina acima de 200mg/L), Hemólise (concentrações de hemoglobina acima de 512mg/dL) e Lipemia (concentrações de triglicerídeos acima de 3000mg/dL)

48 horas

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

0

168

4320

Coleta:

Jejum necessário de 8 horas; - Informar se a paciente está grávida e tempo de gestação; - Coletar amostra em tubo gel; - Aguardar 30 min para retração do coagulo; - Realizar a centrifugação em 3.200 RPM por 12 min; - Encaminhar amostra sob refrigeração, de 2ºC a 8ºC.

Interpretação:

O estriol é um estrogênio fraco produzido principalmente pelas células trofoblásticas da placenta pela metabolização de intermediários esteróides formados pelas adrenais. É depois conjugado pelo fígado materno formando sulafato e glicoronídeos e circulando no sangue nas duas formas, conjugada e não conjugada. Indicações: Na gravidez como triagem de síndrome de Down e trissomia do cromossomo 18, entre outras síndromes genéticas com defeitos de fechamento do tubo neural. Interpretação clínica: O aumento de estriol no sangue ocorre já no primeiro trimestre de gestação, mas cai a partir da 40 semana de gestação. É útil da 15 a 22 semana. Está diminuído nos casos de qualquer defeito do tubo neural incluindo anencefalia. Indica a idade gestacional e pode sugerir gemelaridade. Mães diabéticas que apresentem queda de 40% do estriol em relação às 3 ultimas medidas tem pior prognóstico. No retardo de crescimento intrauterino também se observa estriol anormalmente baixo. Doença hipertensiva da gravidez pode levar a níveis diminuídos. Pode estar elevado em casos de hiperplasia adrenal congênita. Medicamentos como diuréticos, corticosteróides, penicilinas, probenecida, cáscara sagrada, sene, fenolftaléina assim como condições de anemia, hepatopatia e altitudes elevadas podem diminuir o estriol. Interferentes: penicilinas -, corticosteróides -, dexametasona -, betametasona -, diuréticos -, probenecida -, estrogênios -, fenazopiridina -, fenolftaleína -, cáscara -, sena -, glutedimida -, anemias -, doenças hepáticas -. Muitos autores defendem o abandono deste marcador devido à presença de outros métodos mais adequados para o diagnóstico de bem estar fetal. Sugestão de leitura complementar: Geyl C, Subtil D, Vaast P, et al. Interpretation of atypical values of maternal serum markers. J Gynecol Obstet Biol Reprod 2014;43(1):5-11. Metcalfe A, Langlois S, Macfarlane J, Vallance H, Joseph KS. Prediction of obstetrical risk using maternal serum markers and clinical risk factors. Prenat Diagn 2013, in press.

Referência:

Feminino:
De acordo com a semana Gestacional:
27ª Semana: 2,3 a 6,4 ng/mL
28ª Semana: 2,3 a 7,0 ng/mL
29ª Semana: 2,3 a 7,7 ng/mL
30ª Semana: 2,4 a 8,6 ng/mL
31ª Semana: 2,6 a 9,9 ng/mL
32ª semana: 2,8 a 11,4 ng/mL
33ª Semana: 3,0 a superior a 12 ng/mL
34ª Semana: 3,3 a superior a 12 ng/mL
35ª Semana: 3,9 a superior a 12 ng/mL
36ª Semana: 4,7 a superior a 12 ng/mL
37ª Semana: 5,6 a superior a 12 ng/mL
38ª Semana: 6,6 a superior a 12 ng/mL
39ª Semana: 7,3 a superior a 12 ng/mL
40ª Semana: 7,6 a superior a 12 ng/mL

Mulheres não grávidas: Inferior a 0,15 ng/mL
Masculino: Inferior a 0,15 ng/mL