DETECÇÃO DE EPSTEIN BARR

Código:

EPPCR

Sinônimo:

EBV, mononucleose

Material:

Plasma EDTA K2 gel GBO

Volume:

5,0 mL

Método:

RT-PCR (Abbott Real Time EBV)

Volume Lab:

5,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

5 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

0

168

0

Coleta:

Realizado em: * PLASMA - deve ser coletado em tubo EDTA K2 Gel GBO, homogeneizado e centrifugado; *LÍQUOR - deve ser encaminhado em frasco estéril Encaminhar as amostras de liquor e líquidos especiais no acondicionamento Congelado (-8° a -30°C)

Interpretação:

Além da mononucleose o EB virus está associado a alguns tipos de carcinoma nasofaringeal, ao linfoma de Burkitt e a doença linfoproliferativa em transplantados e imunossuprimidos. É um dos métodos mais sensíveis e específicos para a detecção do EBV, mas os resultados devem ser analizados em conjunto com os dados clínicos e com o tipo de amostra utilizada. Períodos variáveis de tempo podem ser definidos para a detecção do genoma viral principalmente em doenças pós-transplantes, como é o caso da doença linfoproliferativa com desenvolvimento de tumores. Pacientes soropositivos para HIV que apresentam linfoadenopatias também são indicados para uma investigação molecular do genoma viral em materiais biológicos, como soro, plasma ou no sangue total coletados em EDTA. A detecção no liquor, associada a informações clínicas relevantes, mostra-se como um resultado complementar significativo para a presença de linfomas. A pesquisa do DNA viral em diferentes tecidos, associados ou não a tumores malignos, está indicada nos processos de linfomas e carcinomas gástricos e nasofaríngeos. Indicação: Infecção aguda em indivíduos soronegativos, com sintomatologia sugestiva - o ideal é realizar a PCR no plasma. Para diagnóstico de carcinoma nasofaringeal - recomenda-se realizar em amostra de biopsia. Interpretação clínica: A detecção do vírus no plasma sugere replicação ativa do vírus e portanto confirma a infecção. Pode-se encontrar EBV DNA nos linfócitos de indivíduos normais por isto o resultado positivo quando a PCR é utilizada neste material pode não significar infecção aguda. A não detecção do agente não exclui o diagnóstico pois dependendo da patologia ele pode estar presente em baixa qantidade. Sugestão de leitura complementar: D'Aveni M, Aïssi-Rothé L, Venard V, Salmon A, Falenga A, Decot V, Virion JM, Wang Y, Clement L, Latger-Cannard V, Tomowiak C, Stoltz JF, Bordigoni P, Bensoussan D. The clinical value of concomitant Epstein Barr virus (EBV)-DNA load and specific immune reconstitution monitoring after allogeneic hematopoietic stem cell transplantation. Transpl Immunol. 2011 May;24(4):224-32. Kudo T, Egawa H, Kuzushima K, Kimura H, Morishima T, Ichiyama S. Diagnostic testing in Epstein-Barr virus infection. Clin Chem Lab Med. 2001 Sep;39(9):789-94

Referência:

Não Detectado

ATENÇÃO: Alteração da metodologia a partir de
15/07/2019.

Metodologia antiga: PCR em Tempo Real