CULTURA MYCOPLASMA

Código:

MICOPM

Sinônimo:

Cultura de PPLO

Material:

Secreção em meio de transporte R1

Volume:

Variável

Método:

Contagem, Identificação e Sensibilidade - Kit IST2

Volume Lab:

Variável

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

7 dia(s)

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

0

48

0

Coleta:

Isolamento em meios de cultura UREIA-Arginina LYO 2 e Identificação manual com o Kit Mycoplasma IST 2. Material: secreção vaginal/secreção uretral/urina/esperma. Deixar o frasco de Mycoplasma R1 atingir a temperatura ambiente. 1.Secreção vaginal: colher com auxílio de swab estéril, posicionar o mesmo gentilmente mas com firmeza, evitar que entre em contato com a superfície do epitélio. É importante efetuar bem a raspagem da mucosa para coletar o maior número de células possível. 2. Secreção uretral: limpar a abertura da uretra com gaze ou algodão esterilizado. A seguir, introduzir com cuidado, um swab cerca de 2 cm, girando-o delicadamente. O espécime é recolhido pelo menos 2 horas após o paciente ter urinado. Colocar imediatamente o material colhido com swab em meio de transporte Mycoplasma R1. Fazer certa agitação do swab no meio líquido de forma que o material se disperse; comprimir o swab nas paredes do tubo retirando todo excesso de líquido a fim de evitar perda do material; retirar o swab e descartá-lo; encaminhar o meio de transporte para posterior cultura em até 48 horas sob refrigeração. 3.Urina: colher em frasco estéril e recomenda-se estar pelo menos 2h sem urinar. Colocar imediatamente após a coleta, 200 ul da urina no Mycoplasma R1 e enviar para o laboratório sob refrigeração. 4.Esperma: colher em frasco estéril. Colocar imediatamente após a coleta, 200 ul da amostra no Mycoplasma R1 e enviar para o laboratório sob refrigeração.

Interpretação:

Mycoplasma hominis causa infecções do trato genitourinário, por vezes de difícil diagnóstico. O diagnóstico das infecções urogenitais por Mycoplasma é difícil, uma vez que podem estar presentes como flora comensal no trato reprodutivo de indivíduos assintomáticos ou em pacientes com sintomas inespecíficos. Indicação: Diagnóstico de infecções do trato gênito-urinário em ambos os sexos; investigação diagnóstica de infertilidade. Interpretação clínica: Podem ser responsáveis por 5% dos casos de pielonefrite aguda, principalmente em pacientes que sofreram instrumentalização, e por 10% de pacientes com salpingite. O antibiograma é importante, pois o uso indiscriminado de antibióticos leva ao aparecimento de cepas resistentes. A sensibilidade e es pecificidade são acima de 90%. Sugestão de leitura complementar: Ferreira RA, Navarro PAAS. Técnicas de reprodução assistida. In: Ferriani RA, Navarro PAAS Eds. Protocolos de Condutas em Infertilidade Conjugal. 1ª ed. Conexão Brasil, São Paulo. 2004. Kauffman CA. Mycoplasma infections. ACP Medicine 2009; 45:1-11.

Referência:

Negativa : Títulos menores 1.000 UFC
Positiva : Títulos igual ou maior 1.000 UFC
* UFC - Unidade Formadora de Colônia