CREATINA QUINASE - MB (Massa)

Código:

CPKMB

Sinônimo:

CKMB, Creatinofosfoquinase MB Isoenzima,massa

Material:

SORO CONGELADO CPKMB

Volume:

1,0 mL

Método:

Eletroquimioluminescência

Volume Lab:

1,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

ctéricia (concentrações de bilirrubina acima de 34mg/dL), Hemólise (concentrações de hemoglobina acima de 500mg/dL) e Lipemia (concentrações de triglicerídeos acima de 1500mg/dL). As amostras não devem ser colhidas em pacientes em tratamento com doses elevadas de biotina (i.e. > 5 mg/dia) até no mínimo 8 horas após a última administração de biotina.

5 dia(s)

Temperatura:

Congelado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

Hora

Hora

4

8

2160

Coleta:

Jejum não obrigatório; - Colher o soro em tubo de amostra com gel separador; - Aguardar a retração do coágulo; - Centrifugar a 3.200 rpm por 12 min; - Encaminhar amostra sob congelamento, de -8° a -30 ° C; - A estabilidade da CK-MB depende em extremo da temperatura. Amostras inativadas por termosensibilidade serão reconvocadas. **** Importante **** Volume mínimo de 540 uL

Interpretação:

A isoenzima CK-MB é marcador bioquímico para o diagnóstico de lesão miocárdica. Sinônimos: CK MB e CK MB massa. Indicações: Marcador de lesão miocárdica. Interpretação clínica: Apesar de ser específica de lesão do miocárdio, o músculo esquelético tem maior atividade de CK total por grama de tecido e pode ter até 4% de CK-MB. Isso pode diminuir sua especificidade, especialmente em pacientes com lesões concomitantes na musculatura esquelética e cardíaca. Para aumentar a especificidade cardíaca pode ser calculado um índice relativo, de acordo com a equação: Índice de CK-MB = 100 (CK-MB/CK total). Essa equação permite verificar em termos percentuais se a isoenzima MB está aumentada em relação à CK total. Embora haja alguma variação entre diferentes autores níveis acima de 5% indicam provável origem cardíaca indicando lesão do miocárdio; níveis acima de 25% por outro lado, indicam uma possível interferência na dosagem causada pela presença da CK-BB ou macro-CK já que os pacientes com infarto agudo do miocárdio raramente têm uma concentração percentual de CK-MB que exceda este limite. Sugestão de leitura complementar: Peter M. Guzy. Creatine Phosphokinase-MB (CPK-MB) and the Diagnosis of Myocardial Infarction. West J Med. 1977; 127(6): 455-60. G M Graeber, P J Cafferty, M J Reardon,et al. Changes in serum total creatine phosphokinase (CPK) and its isoenzymes caused by experimental ligation of the superior mesenteric artery. Ann Surg. 1981; 193(4): 499-505.

Referência:

Ate 5,0 ng/mL