17 ALFA HIDROXI PROGESTERONA

Código:

17ALF

Sinônimo:

17 OHP

Material:

Soro RIA

Volume:

1,0 mL

Método:

Enzimaimunoensaio

Volume Lab:

1,0 mL

Rotina:

Diária

Resultado em:

Interferentes:

48 horas

Temperatura:

Refrigerado

Estabilidade da amostra:

Ambiente

Refrigerado

Freezer

Hora

0

720

0

Coleta:

Jejum não necessário. Coletar em tubo sem anticoagulante, separar o soro e refrigerar. Em mulheres adultas, anotar dia do ciclo menstrual. Critérios de rejeição: -Amostra com volume insuficiente; -Amostra em temperatura ambiente; -Amostra inadequada.

Interpretação:

A 17-OH progesterona é o principal marcador da deficiência da 21-hidroxilase, causadora da forma mais comum da hiperplasia adrenal congênita (HAC), que corresponde a 90 a 95% dos casos. Indicações: Exame empregado na avaliação dos estados intersexuais e do hiperandrogenismo. Como esta é a causa mais comum de genitália ambígua, este é também o primeiro exame a ser solicitado nesta condição. Na monitoração do tratamento da HAC é utilizada, ao lado da androstenediona e testosterona para ajuste da dose do corticosteróide. Outras indicações são o diagnóstico de tumores virilizantes das suprarrenais que cursam com defeito de síntese, nos quais também encontra-se elevada. Interpretação clínica: Na forma clássica de HAC a concentração geralmente é superior a 35 ng/mL e a maioria tem níveis acima de 100 ng/mL. Na forma não clássica, 17OHP acima de 0,8 ng/mL em crianças e de 2 ng/mL em mulheres adultas sugere o diagnóstico, sendo indicado o teste de estímulo com 250 µg de ACTH. Respostas após o ACTH: uma hora após o estímulo é inferior a 5 ng/mL. Em carreadores heterozigotos geralmente é menor do que 10 ng/mL. Nos com HAC a resposta depende do grau de deficiência da enzima 21-hidroxilase: nos com a forma perdedora de sal, além da 17OHP basal já elevada, esta se eleva mais ainda, podendo chegar a níveis tão altos como 1.000 ng/mL após o ACTH; na forma virilizante simples pode chegar a 100 a 300 ng/mL; e na forma não clássica estão as menores elevações, sendo considerada uma resposta positiva a 17OHP acima de 10 ng/mL após o ACTH (mais recentemente se tem sugerido níveis de 15 a 17 ng/mL). Na monitoração do tratamento da HAC recomenda-se que a 17OHP seja mantida entre 4 e 12 ng/mL. Sugestão de leitura complementar: Auchus RJ, Arlt W. Approach to the Patient: The Adult With Congenital Adrenal Hyperplasia. J Clin Endocrinol Metab 2013; 98 (7): 2645-55 Miller WL, Auchus RJ. The Molecular Biology, Biochemistry, and Physiology of Human Steroidogenesis and Its Disorders. Endocrine Reviews 2011; 32: 81-151

Referência:

Recém nascidos
1º mês: 100 a 1700 ng/dL
2º mês: 160 a 980 ng/dL
3º mês: 50 a 410 ng/dL
4º mês: 20 a 430 ng/dL

Crianças
1 a 10 anos: até 258 ng/dL

Adolescentes
11 a 14 anos: até 134 ng/dL
15 a 18 anos: 42 a 226 ng/dL

Homens adultos: 50 a 210 ng/dL

Mulheres adultas
Fase Folicular: 10 a 80 ng/dL
Ovulação: 30 a 140 ng/dL
Fase lútea: 60 a 230 ng/dL
Pós menopausa: 13 a 51 ng/dL

Após estímulo com ACTH: Até 1000 ng/dL

Referência:
Speiser et al. J Clin Endocrinol Metab, September
2010, 95(9):4133-4160.

Obs: A realização do teste genético para Hiperpla-
sia Congênita de Adrenal é recomendada na persis-
tência da suspeita da doença após avaliação clíni-
ca e laboratorial ou com o propósito de aconselha-
mento genético.

ATENÇÃO: Alteração do valor de referência a partir
de 21/10/2019.

Valor de referência antigo:
Crianças:
1 a 10 anos: 8 a 258 ng/dL

Adolescentes:
11 a 14 anos: até 134 ng/dL